Patrocinado

Existe Sandman sem representatividade? Entenda a treta envolvendo o criador.

Após vários anos, Sandman, o personagem dos quadrinhos escritos por Neil Gaiman, finalmente será adaptado para uma série na Netflix com previsão de estreia para 2021. Com uma foto do roteiro, Neil compartilhou no Twitter demonstrando sua empolgação com o projeto.

Patrocinado

Apesar disso, um perfil brasileiro no Twitter chamado “NICOLE BOLSONARO WITH LASERS” fez uma piada envolvendo a futura série. O perfil colocou uma imagem do protagonista e uma imagem de uma pessoa negra e trans com a legenda “Sandman / Sandman na Netflix”. A “piada” faz referência à ideia de que a Netflix tenha representatividade forçada em suas séries e filmes. Entretanto, o criador de Sandman, Neil Gaiman, respondeu Nicole. Confira a resposta nas imagens abaixo:

Resposta de Gaiman no Twitter

Patrocinado

Neil responde: “Esse é Sandman nos quadrinhos também. Não tenho certeza que ponto você está tentando fazer, mas tudo isso mostra que você não é tão fã do Sandman assim, isso me preocupa.”

As páginas que Neil mostra são da história “Contos na Areia”, nono volume do quadrinho que conta a narrativa de Nada, uma rainha africana que o próprio Sandman se apaixona e desenrola uma complexa situação que dá bases para toda uma saga nos gibis. Para além disso, é sabido que o personagem se molda diante da visão pessoal de quem o vê, sendo assim ele não tem uma etnia específica, aliás nem uma espécie específica, já tendo se apresentado até em forma de gato. Você pode conferir “Contos na Areia” no segundo encadernado nas edições especiais de 30 anos da Panini.

Porém, não se contentando com a resposta do criador da série, o perfil ainda responde “Uma mulher trans Sandman? Ou uma Sand-mulher-trans?”

Neil responde: “Achei que você estava estranhamente rebatendo a ideia de um Sandman negro. Você está rebatendo a ideia de uma Sandman mulher? Então vamos lá. Dois Sandmans nesse quadro, uma delas de identifica como mulher…”

Gaiman mostra um quadro do mais recente quadrinho do personagem chamado “Prelúdio”. O quadrinho conta a história que ocorreu antes de Sandman ser capturado em seu primeiro volume. Nicole, logo em seguida, tenta fazer uma mea-culpa falando que era apenas uma piada.

Vale lembrar que o gibi mantém uma importância histórica em representatividade LGBT nos quadrinhos, tendo personagens trans desde o inicio das histórias, lá em 1988. Vemos até personagens não-binárias, como o Desejo, irmã de Sandman.

Veja também: 6 quadrinhos nacionais para ler antes de morrer!

Ainda no Twitter, outro perfil chamado “Multiverso DC” suplica para Neil “não deixar que a Netflix destrua Sandman com sua nonsense politicamente correta.” Neil responde: “Entendi. Então você quer um Sandman sem as pessoas LGBT+ que estão nele, sem as protagonistas mulheres, sem as pessoas não-brancas? Você tem certeza que continuará sendo Sandman depois disso?”

print neil

Ademais, para fechar a discussão, seria interessante não esquecermos dessa página dentro da história “Um Jogo de Você”, que representa muito bem a profundidade que Neil trabalha essas questões dentro de seus quadrinhos. As gravações da série começam nesse mês e a previsão de estreia é de 2021.

funeral wanda

Patrocinado