Patrocinado

Aventuras Fantásticas – Livros com um toque de RPG

Em 1990 chegava ao Brasil o primeiro volume das Aventuras Fantásticas de Steve Jackson e Ian Livingstone! Compreendendo o conceito de livros-jogos que nada mais eram do que a união dos livros interativos – que já existiam – com o RPG de mesa.

Patrocinado
Ilustração da capa da Aventura Fantástica: A Masmorra da Morte.
Arte da capa da Aventura Fantástica: A Masmorra da Morte.

No alvorecer da década de 90 o cenário nacional de RPG era parco, com muitos títulos tendo ainda sua importação por parte do próprio consumidor. Dada a época, haviam muito menos temas que hoje e o vindouro financiamento coletivo não existia. Não existia nem internet por aqui, vale ressaltar. Para muitos, como foi no meu caso, o primeiro contato com conteúdo RPGístico – mesmo que indireto – veio das Aventuras Fantásticas.

 

A origem das Aventuras

Aventuras Fantásticas. Arte Interior.
Um tempo de vanguarda lúdica e literária fantástica.

Tudo começou com os britânicos Steve Jackson (Não o Steve Jackson criador do GURPS. Esse é um outro Steve Jackson, caro nerd consciente) e Ian Livingstone conhecendo o D&D quando foram aos EUA. Fascinados, criam em 1975 a empresa Games Workshop na Inglaterra, para levar o RPG para lá através de eventos promovidos por eles próprios. Em 1977 a empresa alcançou o objetivo de se tornar a editora britânica do Dungeons & Dragons. Em 1982 é lançado o primeiro volume das Aventuras Fantásticas: O Feiticeiro da Montanha de Fogo. Com poucas semanas a tiragem zerou, foi um sucesso! Tiragem essa de 20 mil cópias.

Patrocinado
Aventuras Fantásticas
Grandes Aventuras! Incríveis ilustrações!

Depois disso, um total de 59 títulos foram publicados como Aventuras Fantásticas, além de muitos outros livros-jogos vinculados a Titan – mundo onde se passa boa parte das aventuras, seu cenário – e de diversos temas. Em 1995 a editora encerrou as atividades relacionadas às obras. No ano de 2002 a editora Wizard Books relançou a coleção com novas artes de capa e ilustrações internas. Para nós brasileiros, tudo começou em 1990 pela editora Marquês Saraiva que lançou a Cidadela do Caos, a primeira das Aventura Fantásticas por essas bandas. Posteriormente, a editora Jambô, lançou 22 títulos, também revitalizando as capas com novas ilustrações.

Na década de 2000 dois volumes das Aventuras Fantásticas foram adaptados para RPG de fato pela regra D20: O Feiticeiro da Montanha de Fogo e As Cavernas da Feiticeira da Neve.

 

O conceito do livro-jogo

Arte completa da capa de Aventuras Fantásticas: A Cripta do Vampiro.
Arte completa da capa de Aventuras Fantásticas: A Cripta do Vampiro. Minha primeira Aventura Fantástica e também primeiro contato direto com elementos do RPG.

Livros interativos já existiam décadas antes do primeiro Aventuras Fantásticas, ou mesmo do primeiro livro-jogo, mas o pioneirismo da série trouxe elementos RPGísticos como a “folha de aventuras”, que nada mais era do que sua ficha onde haviam seus atributos, inventário, aspectos e anotações. Introduzindo também a rolagem de dados para a resolução de combate e de testes. Usando um sistema simples de dado d6 e comparativos entre o resultado e seus stats, o jogo flui livremente. Os próprios livros trazem seu conteúdo explicativo antes de iniciar o consumidor na aventura.

Artes interiores das Aventuras Fantásticas.

Além disso, cada temática causava alterações na dita cuja “ficha” gerando assim ares simulacionistas conforme a variação da temática das aventuras. Estas que iam desde o medievo mágico até o pós-apocalíptico, passando pelo futurista, horror cósmico e muitos outros. Resultantes que se resolviam por meras escolhas do leitor/jogador continham apenas indicação para seguir em determinada página ou numeração dentro do livro. Outro destaque deste conceito dos livros-jogos relacionado às Aventuras Fantásticas (Fighting Fantasy, no idioma original) eram as ilustrações ao longo das páginas. Na pesada maioria das edições aventurescas, só artes de cativar, atrair e surpreender.

 

Títulos no Brasil

Arte completa da capa de Aventuras Fantásticas: As Cavernas da Bruxa da Neve.
Arte completa da capa de Aventuras Fantásticas: As Cavernas da Bruxa da Neve.

No Brasil 28 títulos da série Aventuras Fantásticas foram lançados pela Editora Marquês Saraiva. Mais tarde, pela editora Jambô, vieram 22 títulos, inclusive alguns inéditos no país.

Títulos pela Editora Saraiva:
  1. A Cidadela do Caos
  2. O Feiticeiro da Montanha de Fogo
  3. A Floresta da Destruição
  4. A Cidade dos Ladrões
  5. O Calabouço da Morte
  6. A Nave Espacial Traveller
  7. O Templo do Terror
  8. As Coligações de Kether
  9. Mares de Sangue
  10. Encontro Marcado com M.E.D.O.
  11. Planeta Rebelde
  12. Demônios das Profundezas
  13. A Cripta do Vampiro
  14. Robô Comando
  15. Prova dos Campeões
  16. O Guerreiro das Estradas
  17. As Cavernas da Feiticeira da Neve
  18. A Espada do Samurai
  19. O Ladrão da Meia-Noite
  20. Mansão das Trevas
  21. Fantasmas do Medo
  22. O Talismã da Morte
  23. Fortaleza dos Pesadelos
  24. Punhais da Escuridão
  25. A Cripta do Feiticeiro
  26. Exércitos da Morte
  27. Escravos do Abismo
  28. Sky Lord
Aventuras Fantásticas
Arte da capa de O Feiticeiro da Montanha de Fogo. Primeira Aventura Fantástica.
Títulos pela editora Jambô:
  1. O Feiticeiro da Montanha de Fogo
  2. A Cidadela do Caos
  3. A Masmorra da Morte
  4. Criatura Selvagem
  5. A Cidade dos Ladrões
  6. A Cripta do Feiticeiro
  7. A Mansão do Inferno
  8. A Floresta da Destruição
  9. As Cavernas da Bruxa da Neve
  10. Desafio dos Campeões
  11. Exércitos da Morte
  12. Retorno à Montanha de Fogo
  13. A Ilha do Rei Lagarto
  14. Encontro Marcado com o M.E.D.O.
  15. A Nave Espacial Traveller
  16. A Espada do Samurai
  17. Guerreiro das Estradas
  18. O Templo do Terror
  19. Sangue de Zumbis
  20. Ossos Sangrentos
  21. Uivo do Lobisomem
  22. O Porto do Perigo

 

Experiência de escolhas, leitura de qualidade e visualização de gravuras pontuais fazem desta coleção uma experiência memorável, além de nostálgica, como é o caso de muitos por aí já na casa dos 30 ou 40. Você que nunca jogou, não deixe de fazê-lo em algum momento. É uma diversão simples, acessível e de qualidade. Dito isto! Espero que tais aventuras sirvam para completar vossa leitura e avidez pelo bom e velho RPG, caros nerds conscientes. Boa leitura e boas rolagens, RPGístas!

Patrocinado